Menu


 

(83) 98109-8149

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Infectologista e OMS desmentem boatos de que vacinas estariam ligadas à microcefalia

22 FEV 2016
22 de Fevereiro de 2016

OMS diz que vacinas brasileiras são seguras

As vacinas brasileiras são seguras e não têm nenhuma relação com a microcefalia. Esse é o resumo o do que afirmou a Organização Mundial de Saúde (OMS), nessa segunda-feira (15), por meio de nota, para desmentir boatos que vacinas vencidas de rubéola que foram aplicadas em gestantes, somente na região Nordeste, teriam relação com a doença. Nessa quarta (17), uma infectologista comenta sobre a segurança das vacinas.



A infectologista da Universidade Federal de São Paulo (UniFESP) Nancy Bellei explica que esses boatos já foram esclarecidos e que não há nenhum embasamento científico de que a vacina contra a rubéola seja a responsável pela microcefalia em bebês.

“Isso foi um boato que foi divulgado e já foi esclarecido completamente. Até porque a grande maioria das gestantes nem se tinha esse dado que tivessem tomado essa vacina durante a gravidez. Então isso foi rapidamente esclarecido, mesmo lá na região Nordeste, mas os boatos ás vezes continuam circulando. É uma vacina que a gente não recomenda durante a gravidez, não é aplicada se a mulher está grávida. Mas já aconteceu no passado, e não aconteceram casos de microcefalia”, afirmou. 

Ela ainda deu mais detalhes sobre a fabricação das vacinas e adiantou que o Brasil tem um dos melhores programas de vacinação no mundo. “As vacinas brasileiras, grande parte delas, são produzidas pelo instituto Butantã, que não só produz vacina para o Brasil, como produz vacinas que são vendidas na América Latina. Então, as vacinas são seguras. O Brasil tem um programa de vacinação extenso. Algumas vacinas são importadas e é um dos países que tem um dos melhores programas de vacinação.”

Em nota divulgada na segunda, a OMS atesta que as vacinas são seguras e mantém recomendações para as grávidas. “A vacinação é um ato preventivo de promoção e proteção da saúde, considerado prioritário pela Organização por beneficiar a mãe e o bebê. O Programa Nacional de Imunizações brasileiro segue o conceito de vacinação segura da OPAS/OMS, que envolve um conjunto diferenciado de aspectos relacionados ao processo de vacinação. As vacinas que a Organização recomenda para as gestantes e que são oferecidas no Sistema Único de Saúde (SUS) são seguras e eficazes”, afirmou a OMS.

 Do Portal Correio 

Voltar
Tenha também o seu site. É grátis!