Menu


 

(83) 98109-8149

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Aliados admitem cassação de Michel Temer e avaliam nomes de Maia e Meirelles

23 MAI 2017
23 de Maio de 2017
Com a piora do cenário político, aliados do presidente Michel Temer admitem, de forma reservada, que pode haver a cassação, pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), da chapa formada por ele e Dilma Rousseff na eleição de 2014.

Na manhã desta terça, ministros relataram  que Temer segue com a postura de enfrentar a delação da JBS. Ou seja, não pensa em renunciar nem trabalha com a possibilidade de sofrer impeachment.


A convicção de Temer sobre o impeachment tem razão de ser. Cabe ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aliado do presidente, analisar os pedidos.


Oficialmente, Maia nega que o tema esteja em discussão na Câmara. Ele também tem reafirmado apoio ao presidente.


Mas, segundo deputados, Maia, sempre que questionado sobre isso, tem confidenciado a aliados que não será "pela sua caneta" que Temer cairá.


Mesmo diante da resistência de Temer, aliados do presidente admitem que o "fator Rocha Loures" e a prisão do ex-vice-governador do DF Tadeu Fillipelli (PMDB) complicam a governabilidade do presidente. E assessores fazem a seguinte conta: calculam que três dos sete ministros do TSE cassariam a chapa.


Diz um interlocutor do Planalto: "Três votos contra é certeza. A dúvida é o quarto ministro. Só que antes não havia dúvidas, agora sim."


Nomes
Nas discussões de bastidor, os nomes debatidos pelos aliados de Temer - em caso de eleições indiretas, como prevê a Constituição - são, principalmente, os de Rodrigo Maia e do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.


Quem defende Maia diz que ele tem interlocução com a oposição e representaria o mesmo grupo político de Temer - para justificar que ele "herdaria" a base de apoio no Congresso.


Pesa contra Maia, na avaliação dos mesmos aliados, o fator Lava Jato. Ele é alvo de dois inquéritos autorizados por Edson Fachin.


Um dos personagens políticos que articula o nome de Maia como candidato diz que, se ele assumir a presidência da República, não poderá ser investigado.


Pela Constituição, o presidente da República só pode ser investigado por atos cometidos durante o exercício do mandato e com autorização do STF.


E Maia é acusado de crimes que teriam acontecido entre 2010 a 2014.


Uma ala do Planalto, por sua vez, defende o nome de Henrique Meirelles. Hoje ministro da Fazenda, a avaliação de defensores dele é que Meirelles tem respeito do mercado e garantiria a continuidade da agenda da pauta fiscal - principalmente as reformas.


Ventilado nos bastidores do governo está também o nome da ministra Carmen Lúcia. Mas a presidente do STF afasta a ideia a interlocutores. Ela tem negado, a quem a questionou nos últimos dias, qualquer intenção de se candidatar.


Ela repete ser um "delírio", "sem chance" e diz que não teria correspondência com sua trajetória no Judiciário.


Argumenta, também, que hoje o lugar que ela precisa estar é a presidência do STF para garantir o cumprimento da Constituição.


Além disso, a ministra teria de ser filiada a algum partido político - já que não se aceita candidatura avulsa.
Voltar
Tenha você também a sua rádio